Servidores da Fundação Casa paralisam atividades nesta quinta

fundacao_casaFuncionários das oito unidades da Fundação Casa na Baixada Santista entram em greve nesta quinta-feira. Na região, há Fundações Casa em Peruíbe, Itanhaém, Mongaguá, Praia Grande (2), Santos, Guarujá e São Vicente. A decisão foi tomada durante uma assembleia realizada pela categoria em frente à sede do órgão, na Capital. A paralisação acontece devido à insatisfação da categoria com relação à proposta salarial apresentada pelo Governo aos cerca de 13.800 trabalhadores.


Entre as reivindicações estão: reajuste real de 53,63%, reposição de perdas, isonomia do Plano de Cargos e Salários e, principalmente, segurança nos locais de trabalho.

O Governo, por sua vez, propôs reajuste salarial de 3,97%; aumento no vale refeição de R$ 14,00 e no alimentação de R$ 105,94; criação de grupo de trabalho com representantes dos trabalhadores e da Procuradoria, para discutir a viabilidade da escala 24×72.

Além de uma agenda mensal permanente de negociações sobre as questões de segurança e modelo socioeducativo aplicado na Fundação Casa, para discutir sobre o aperfeiçoamento do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS).

Segundo a diretora regional do Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança, ao Adolescente e a Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa), Roselaine Jaqueline Melo dos Ramos, a paralisação vai ocorrer pois não haverá mais negociações.

“A proposta é essa que foi apresentada. Eles (Governo) não vão mais negociar, não marcaram outra reunião para ter uma nova oferta, por conta disso a categoria resolveu não aceitar e está em greve”.

Resposta

Em nota, a assessoria de imprensa da Fundação Casa informa que, o Governo do Estado apresentou nova proposta salarial aos servidores e que, apesar das negociações avançarem, eles decidiram deflagrar greve.

“Como a execução de medidas socioeducativas é uma prestação de serviço continuada (24 horas por dia), o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que 70% dos funcionários de cada um dos 148 centros socioeducativos permaneçam em atividade”, diz o texto.

A assessoria aponta ainda, que, caso a decisão seja descumprida, será aplicada multa diária de R$ 100 mil ao Sitraemfa.

Fonte: A Tribuna On-line

Matérias relacionadas